A nossa maior riqueza.

Em 1989 participei de uma seleção para estágios no exterior e consegui uma das três vagas para brasileiros na Arthur Andersen de Madrid. As outras duas vagas foram preenchidas pela Vivi e pelo Ivar. O Ivar morava nessa época na Suécia e tinha acabado de convencer a namorada de ir morar com ele. Há 25 anos atrás para a família brasileira morar junto era a morte. Como assim? não vão casar? A Ana Cristina tinha acabado de se formar em psicologia na Puc do Rio e o amor a levou a aceitar ir morar em um país gelado, totalmente diferente da nossa realidade.

Ao chegar em Stockolmo, o Ivar lhe comunicou que em três dias eles estavam descendo de carro em direção a Madrid, pois ele tinha conseguido um estágio na famosa Arthur Andersen. “Madrid?”, ela disse, “mas eu vim para Suécia. Com tudo organizado, visto, etc. Como vou para Madrid?” Provavelmente o Ivar imaginou que seria mais fácil para ela, acho eu. Além da oportunidade de trabalhar na maior consultoria do mundo. Menos frio, sangue parecido com o latino. E foi assim que conheci eles.

Quando cheguei em Madrid fui direto para uma residência de estudantes que me recomendaram, onde becarios (ou estagiários em espanhol) do mundo todo passavam o verão, durante as férias dos estudantes das universidades madrilleñas. Um belo dia, uma brasileira muito simpática, sorridente e muito falante apareceu na residência para perguntar se tinha alguém interessado em dividir um apartamento com ela. A Cristina morava em Madrid fazia quase um ano e trabalhava com comércio exterior no escritório da Perdigão, ou melhor, era a responsável pelo escritório da Perdigão em Madrid. E foi assim que conheci a mineirinha mais querida, a Cris Cotta.

Esse final de semana, a Cris de BH fez 50 anos e promoveu uma festa bem animada para mais de 100 pessoas em seu paraíso lá em Rio Acima. Rio Acima é uma cidade muito perto de BH, que fica no meio das montanhas e segundo ela tem esse nome, pois o rio sobe ao invés de descer. A sua casa fica em um condomínio que só existe por lá. Antigamente era uma grande fazenda, no meio de uma mata bastante generosa, com montanhas, lagos e várias cachoeiras naturais. Indescritível de lindo. E assim ela conseguiu levar pessoas de todas as fases da sua vida para desfrutar de um almoço bem mineiro em pleno domingo ensolarado para o seu paraíso.

Faziam 25 anos que não encontrava a Ana Cristina, a Cris do Ivar, apesar de morarmos na mesma cidade. Nos reencontramos nessa sexta-feira no Aeroporto de Congonhas a caminho da festa. Passar esses dias com as duas Cris, me fez lembrar como é importante a amizade. Conversamos tanto, demos tanta risada lembrando das nossas aventuras em Madrid, encontramos até algumas pessoas no FB para participarem virtualmente dessa alegria toda. A Magda de Santa Maria, a Vivi que hoje mora em Brotas, o João em Lisboa. Foram meses intensos, em uma época que as telecomunicações eram bem precárias. Não tínhamos grana para falar com nossas famílias pelo telefone. Éramos todos muito jovens em nossa primeira experiência fora de casa. Essa situação nos permitiu uma cumplicidade absurda, uma amizade profunda, que não tem quantidade de anos que apague. Parecia que tínhamos nos encontrado no dia anterior. Foi mágico. Foi inesquecível. Não queria que acabasse.

No aeroporto de Confins, uma senhora que estava muito brava com a mudança de gate, começou a conversar comigo e com a Ana Cristina. Ela nos contou que foi a BH comemorar o aniversário de 100 anos de uma prima e nos contou que a prima estava lúcida e que ainda por cima dançou muito durante a festa. Não resistimos e perguntamos: “Desculpe, mas quantos anos a senhora tem?”. A senhora respondeu: “85”. Nos entre olhamos e nos imaginamos novamente em BH, comemorando outro aniversário da Cris. E logo contamos: “Estamos aqui por causa do aniversário de uma grande amiga de 50.”.

Nessa vida momentos assim nos revigoram. Nos trazem a certeza que as pessoas e os relacionamentos são nossos maiores presentes. Que cultivar a amizade, as relações familiares são os grandes prazeres. Que compartilhar esses momentos com quem gostamos são as nossas fontes de energia e a nossa maior riqueza.

Feliz! Muito obrigada as duas Cris.

Anúncios

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s