Tortão “baseado” na receita da famosa tortinha de frango do Ritz

10662115_10153115473458272_6809241565635897292_o

(com meus comentários e adaptações da receita, lembre-se essa torta só tem tampa não tem a parte de baixo da massa)

Recheio:

500 gramas de peito de frango cozido e desfiado,
70 gramas de margarina, —> troquei por 70gr de manteiga sem sal
1/2 xícara de farinha de trigo
750 ml de caldo de galinha, —> para fazer o caldo: refogar uma cebola em azeite, colocar as cenouras, cheiro verde, louro e salsão. Temperar o frango com limão, sal e pimenta do reino. 1 litro de água, ou o quanto basta. Cozinhar o frango nessa marinada. Tirar o frango e desfiar. Coar o caldo. Reservar as cenouras.
1/3 xícara de salsinha picada
1 colher (chá) de sal
1 cenoura cozida
4 azeitonas verdes sem caroço
e 1 pitada de pimenta-do-reino.

Numa panela, derreta a margarina (ou no meu caso manteiga) e aos poucos junte a farinha até formar uma massa homogênea. Vá adicioando aos poucos o caldo de frango e mexendo até engrossar. Acrescente o frango desfiado, a salsinha, o sal e a pimenta, e misture. Reserve.

Massa: 1/2 kg de farinha de trigo, 250 gramas de banha, —> troquei a banha por manteiga (200gr), usei um pouco menos de 1/2 kg, veja que dá para uma forma enorme! A massa fica totalmente diferente da do Ritz, achei mais gostosa.
1/4 colher (chá) de sal e
1 1/2 colher (sopa) de água —> aí vem o truque, não é bem 1 1/2 colher e sim um pouco mais até a massa pegar ou unir, parar de esfarelar.

Na batedeira —> bater a manteiga gelada em pedaços, ir acrescentando a farinha, sal e água, até a massa ir grudando ou parar de esfalelar. Essa é uma massa de torta podre, logo é meio esfarelada mesmo. Com a mão terminar de amassar e fazer uma bola. Colocar uns 15 minutos na geladeira para conseguir abrir.

Montagem Ritz: divida a massa e o recheio em 4 partes. Em fôrma individual, coloque uma camada de recheio. Acrescente 2 rodelas de cenoura cozida e 1 azeitona verde em cada uma delas. Coloque por cima a outra parte do recheio. Abra a massa com um rolo numa espessura de cerca de 0,5 cm. Cubra o recheio com a massa epincele com gema de ovos. Coloque em cima de cada torta 4 metades de amêndoas torradas. Asse em forno médio (175o C) por 30 minutos.

Fiz em uma forma retangular refrataria de lasanha. Um pouco difícil de cobrir com a massa, mas dessa vez deu mais certo! Fica uma delícia! Bom apetite. Acompanha super bem com uma saladinha básica de alface, tomate e pepino e uma bela pimenta.

Risotinho de arroz integral.

10570477_10153061658073272_443759409974253795_n

Sexta-feira é dia de almoço carne-free. E hoje saiu um risotinho de arroz 7 grãos Raris, muito gostoso. Receitinha fácil:

Pegue aquele arroz que sobrou.
4 talos de brocólis (talo+flor) cortados em pedaços
1 abobrinha cortada em pequenos cubinhos
1 cenoura cortada em pequenos cubinhos
1 tomate cortado em pequenos cubinhos
1 cebola roxa cortada em tiras finas
gengibre a gosto
sal a gosto
pimenta do reino a gosto
pitada de curry

azeite

Ferva o brocóilis até ficar al dente (2 min de microondas). Refogue a cebola roxa, acrescente todos os legumes, o tomate e o gengibre, até ficarem al dente, não molengos. Coloque um pouco de água para formar um caldinho. Tempere com sal, pimenta do reino e se quiser uma pitada de curry, só para dar um toque. Misture o arroz.

Pronto!

Farofa com bananas

10270287_10152835526793272_5177722101532170904_n

Adoro farofa. Acho que um bo

m feijão com farofinha é uma das comidas mais deliciosas do mundo. E adoro variar na farofa. Em São Luis, no Maracangalha, tem uma farofa com farinha crocante do Dantas que é dos deuses. No Barbacoa tem a melhor farofa de ovos que já comi na vida. A Memézinha faz uma farofinha no alho, daquelas que você passa horas mexendo, deliciosa. A farinha da Bahia é sensacional. Quando eu era criança minha tia Martha sempre trazia, quando ia visitar meus primos baianos. Minha mãe é doida com farofa. E pelo visto herdei o gene farofeiro.

Semana passada fiz um feijão aqui em casa no almoço e inventei na hora uma farofa de farinha de milho, ovos e banana.

Vamos a receita

Farinha de milho em flocos
Manteiga
Azeite
Cebola ou alho refogados
2 ovos
1 banana (melhor nanica) cortada em rodelas
salsinha e cebolinha picadas
pitada de sal

Refogar a cebola ou alho picados na manteiga até dourar. Completar com azeite, para não ficar tão pesado. Colocar a banana e deixar amolecer um pouco. Colocar dois ovos inteiros e misturar levemente para ficarem pedaçudos. Colocar a farinha de milho. A quantidade de farinha determina a quantidade de farofa. Eu coloco de olho. O ideal é dar uma molhada bem de leve na farinha para ela não ficar tão seca. Ou quem não se incomoda colocar mais manteiga e mais azeite. Salgar à gosto. Colocar salsinha e cebolinha. Mexer delicadamente. Servir morna com o feijão!

Pappardelle con gli zucchini alla Nerano

10170972_10152832344513272_7437796931310109018_n

Caramba me deu uma fome agora daquelas. Não jantei, pois fiquei embrulhada o dia todo com as notícias do dia. Já pesquisei design, já me atualizei dos escandinavos e agora bateu a fome…em vez de comer vou passar uma receita dos deuses de Nerano, que ainda não acertei, mas quem sabe alguém acerta e me passa o famoso segredo.

Nerano é uma cidade minúscula na região de Sorrento e é famosa por conta do seu spaghetti com abobrinha. Vale enfrentar horas de carro ou de barco para provar essa iguaria que como um bom cacio i pepe de Roma faz suas papilas gustativas ficarem muito animadinhas e felizes.

Teoricamente deveria ser muito fácil, mas como tudo que parece simples, não é bem assim. Vamos lá, a minha receita…

1 pacote de pappardelle da marca Colavita (melhor fettutine e pappardelle que se encontra em SP)
4 abobrinhas médias cortadas em rodelas grossas e depois em quatro, ou rodelas grossas.
azeite puro de oliva extra-virgem
2 a 4 dentes de alho
pimenta seca se gostar
200 gr provola – seria o provolone doce (não curado)
70 gr grana padano ou parmegiano reggiano ralado
manjericão

Colocar na panela tipo caçarola um fundo de óleo bem abundante juntar o alho e a pimenta, deixar amolecer até começar a dourar e juntar a abobrinha. A abobrinha tem que ficar al dente, não molenga. Se achar aquela abobrinha italiana de casca verde escura melhor, pois não solta tanta água. Pitada de sal. Cozinhar o pappardelle conforme as instruções da embalagem. Tirar a abobrinha da panela, e na mesma panela colocar o pappardelle com um pouco da água do cozimento, e em fogo baixo colocar a provola, até derreter um pouco, colocar as folhas largas de manjerição, voltar as abobrinhas para panela. Misturar, até virar um creme a provola, e colocar o parmegiano.

O de Nerano é meio esverdeado. Desconfio que eles colocam uma espécie de pesto, bem leve só de manjericão, na hora de derreter a provola. O segredo é esse como derreter a provola e dar um aspecto de molho bem suave a pasta.

De qualquer forma, mesmo que não de 100% certo, fica uma delicia. Yammy…é de ajoelhar para comer!

Kibe de forno, receita mamãe




Quem lembra do kibe da Maru? 

800 gr de carne moida (patinho)
1 mug de farinha de trigo para kibe
água morna
hortelã picada
cebola picada, melhor triturar para sumir
sal, pimenta
azeite

Em uma vasilha despejar a farinha de trigo para kibe e cobrir de água morna. Esse é o segredo dessa receita. A água morna estufa a farinha e deixa o kibe super macio. Deixar descansando por uns 10 minutos. Misturar metade da carne, fio de azeite, cebola, hortelã, sal e pimenta na farinha, até formar uma massa mais homogênea. Deixar novamente descansando.

Em uma panela refogar a carne moída em um fio de azeite, com o restante da cebola, hortelã, sal e pimenta a gosto.

Em uma travessa refratária, regar com um fio de azeite, dividir a carne crua em dois. Distribuir uma camada de carne crua, cobrir com a refogada, cobrir com a outra carne crua. Fazer uns desenhos com garfo. Forno quente, uns 30 minutos, ficar de olho!

Quem gosta pode por cominho ou nozes ou pinoli. Se não tiver hortelã fica gostoso também salsinha.

Servir com uma saladinha a base de limão.

Bom apetite!